Eu sou nada mais, nada menos que uma eterna aprendiz...
























Quem sou eu
 


Alguém que aprendeu a abrir a porta para o sol entrar
Alguém que tem mais perguntas que respostas
Que se surpreende com a vida
Que gosta de dias de chuva
Brigadeiro de panela
E não divide o prestígio com ninguém



Alguém que gosta da noite
E acha que de noite a gente se escuta muito mais
Que gosta quando o sol invade a varanda
Que sabe o quanto foi difícil resgatar a alma do limbo
E por isso não esquece de lembrar
Que todo dia é tudo diferente



Alguém que ainda se espanta
Com a falta de amor
E ainda não conseguiu desvendar
Porque é tão difícil se deixar gostar



Alguém que enquanto toma o café
Tem mais perguntas que respostas
Que pensa que tem tanta gente no mundo
Vivendo vidas seguras
E que acha que só a sua vida é tão confusa


Alguém que enche a alma de susto, vaga-lumes e estrelas
E fica feliz por nada ou quase tudo
Que se perde em música, cinema e poesia
Que chorou lendo o caçador de pipas



Alguém que se sente meio antiquada
Pensando tanto em família
Vivendo cercado de poucos bons amigos
Que acredita em bondade,
Amor e honestidade



Alguém que quando a noite encosta a porta
E o sol desperta a cidade
Planta mais perguntas que respostas

(Autor desconhecido)

Comentários

valquiria disse…
Nascemos e morremos sendo aprendizes do existir... abraço amiga.
Socorro Melo disse…
Oi, Soninha!

E quem de nós não tem mais perguntas que respostas, hein?
Um texto com importantes reflexões e imagens lindas.
Ah, e eu também chorei com o Caçador de Pipas. É um livro que me deixou impressionada, e que lembro sempre da história.

Um abraço
Socorro Melo
Sô,
Que lindo este poema
"Alguém que enche a alma de susto, vaga-lumes e estrelas
E fica feliz por nada ou quase tudo"
Perfeito,cheio de sensibilidade!
Linda a foto viu?
Beijos,saudades de ti!
Uma ótima semana,Querida!

Postagens mais visitadas